Entre caminhos.

2

Sinto falta de algumas coisas que não chegaram nem mesmo a acontecer. Sinto falta por ter perdido boas oportunidades, seguido por caminhos equivocados, dado tanto soco em ponta de faca por causas perdidas.

Não é preciso ser tão velho assim para ter os seus arrependimentos. Mas no fundo, meu amigo, se você quer mesmo saber, todo esse arrependimento não chega nem perto das felicidades que passei pelos momentos que realmente vivi.

A gente às vezes tem uma mania realmente irritante de procurar problemas onde não tem, de querer alguma coisa com toda sua força até o momento que você a tem, e logo depois, equipará-la às comuns.

Eu não sou vivida o suficiente, tampouco sabida o suficiente, para ter certeza que tudo, exatamente tudo o que você conquista, e o que você deixa passar pela sua vida, serve para construir o exato caminho que você deve seguir.

Às vezes nós mesmos acabamos fazendo esses desvios e nos encontramos em caminhos obscuros demais, mas no final, se chegamos até ali com certeza conseguiremos sair.

O importante é lembrar que tudo o que passa pelo seu caminho tem o seu caminho. Não viva com pés atrás, nem mesmo com rédeas às suas atitudes, se forem para o bem.

Valorize o que você construiu, o que você tem e quem está ao seu lado. Caminhos são traçados e mudados diariamente, e depende apenas de você traçá-los de uma maneira que lhe caiba.

Não esconda o valor do que está na sua vida. E viva. Viva todos os dias de verdade. Tenha arrependimentos, mas tenha mais boas lembranças e boas histórias para contar. As escolhas são suas.
image

Compartilhe.

2 Comentários

Deixe um comentário