Dica para a vida: chega de procurar pelo em ovo.

0

É sabido por todo mundo – ou deveria ser – que as pessoas, por si próprias, são máquinas de complicar as coisas mais simples possíveis. Quando temos que tomar uma decisão ou decidir se vamos ou não fazer alguma coisa, há uma incidência de incontáveis empecilhos que podem variar entre várias motivações para que a gente ande para trás nas nossas escolhas. Eles são reais? Na maioria das vezes, não.

Não sei explicar, ao certo, qual o motivo para que as pessoas aumentem tanto os seus problemas e diminua, quase que inconscientemente, a sua capacidade de superá-los. Eu, em meu diminuto conhecimento sobre essas coisas da vida, acredito que é só mais umas daquelas desculpas para que seja justificável fazer o velho e bom “corpo mole” quando aquilo exige um pouco mais de esforços da nossa parte.

Sou da opinião, também, que aquele velho ditado “não há mal que nunca acabe, nem bem que sempre dure” é muito válido. Não é todo dia que vamos acordar super empolgados com o rumo que nossa vida está tomando, mas também não tem uma dificuldade tão grande que seja impossível superá-la (a não ser, claro, que envolva a morte, daí é melhor recorrer a um plano B mesmo..). Mas, convenhamos, que é muito mais fácil declinar quando existe uma dificuldade, e, desistir ou levar de qualquer jeito “com a barriga” quando não se está bom. Quanto à duração da tal coisa boa em nossas vidas, é preciso que a gente aceite a rotina como uma coisa vantajosa, que nos trouxe conhecimento de algo que deu certo, e paremos de esperar todos os dias por fogos de artifício no estômago, senão, nunca vamos ser bem sucedidos por muito tempo com nós mesmos.

Então, a proposta é a seguinte: que paremos de ver dificuldades onde não existem e problemas onde está tudo bem. Que a gente tenha coragem para ir mais fundo em nossas vontades, de encarar nossa realidade e parar, pensar, pensar novamente antes de tomarmos qualquer atitude ou falarmos qualquer coisa que envolva outra pessoa. Ninguém merece conviver com outro alguém que não consegue ter atitude suficiente para encarar sua própria vida, assim como ninguém merece ser essa pessoa. Então, se você não quer ser, não seja. É simples, é fácil e é rápido. Talvez um pouco dolorido, mas esse tipo de dor só aparece pra nos fazer mais fortes e resistentes.

Compartilhe.

Deixe um comentário