A difícil missão de não esperar nada de ninguém.

2

Antes de mais nada, já me adianto e peço desculpas a quem achou o título deste texto forte demais. Mas não vou te enganar: as decepções não pedem licença antes de aparecerem nas nossas vidas. Esse processo não será fácil e você deve estar preparado para isso. Não digo que todas as pessoas são egoístas, apesar de, o egoísmo ser uma característica natural do ser humano e, às vezes até necessário para que a gente deixe o nosso papel de trouxa de lado quando ele insiste em nos pertencer.

Já ouviram falar daquele ditado “Fazer o bem, não importa a quem?”. Dentre os milhares de popularismos que a gente se depara com os anos, esse é o meu favorito (e o que faço maior questão de, pelo menos, tentar sempre colocar em prática). Mas, com os tapas na cara que levamos durante a vida, aprendemos que as coisas não são assim para todos. Às vezes nos esforçamos para que outra pessoa fique feliz, fique bem, esteja sempre sorrindo, para salvá-la de uma fria, mas a recíproca não é verdadeira, e isso é algo realmente muito doloroso.

Desapega. Desapega de querer sempre receber algo em troca das suas atitudes, porque muitas vezes as migalhas em forma de atitude não serão suficientes. Desapega de esperar sempre que a outra pessoa faça por você o mesmo que você faria por ela. Desapega de atrelar os seus sentimentos às respostas que você quer receber, mas que nunca chegarão. Desapega de esperar sempre por um “pagamento” mesmo que em forma de atitudes. Desapega de vincular suas atitudes às atitudes de outras pessoas. Seja você mesmo, seja livre para escolher fazer o bem para alguém que você mal conhece e que provavelmente não lembrará disso amanhã. Liberte-se de vínculos criados apenas na sua cabeça.

Faça o que você tem que fazer, mas não espere que essa tal coisa chegue à você futuramente, quando a situação for inversa. Podem parecer amargas essas palavras, mas na verdade não são. São palavras livres, de emoções livres, e entendimentos de certas coisas que a gente só ganha depois de alguns tombos.

Compartilhe.

2 Comentários

Deixe um comentário